an online Instagram web viewer
Excelente texto do @cantomaternar - ❓Como as crianças aprendem sobre si mesmas, sobre as pessoas que as cercam e sobre o mundo❓⠀⠀
⠀⠀
Observando e assimilando o ambiente no qual estão inseridas. As crianças, principalmente as pequeninas, são como esponjas: elas absorvem o que vivenciam. Então, precisamos tomar cuidado com o que apresentamos a elas.⠀⠀
Há algum tempo, precisei levar meu filho à emergência de um hospital. Estava na sala de espera e conheci ali um casal com seu filho pequeno, de quase 2 aninhos. O pai disse: “Esse menino é terrível! Tem um gênio! Ninguém aguenta, eu já estou vendo que não vou aguentar também”. O menino começou a andar pela sala de espera, mexer nas coisas, dar aqueles gritinhos de bebê, pareceu uma criança absolutamente normal. Mas o pai continuou: “Está vendo, não para quieto e ainda grita. Ele é terrível mesmo, terrível”. E o pequeno ali, na emergência de um hospital, sendo rotulado pelo pai de genioso e terrível.⠀⠀
Não estou julgando o pai, de forma nenhuma, principalmente porque acho que carecemos mesmo de informação e orientação para nos tornarmos pais e mães mais capazes. O objetivo aqui é refletir sobre o quanto, muitas vezes, nomeamos nossos filhos de forma negativa e os rotulamos.⠀⠀
Seu filho não é terrível, nem genioso, nem medroso, nem preguiçoso, nem desleixado, nem nada disso! Pode ser que ele esteja passando por uma fase difícil em algum aspecto, e que precise ser conduzido – com gentileza – para superar isso.⠀⠀
Quando rotulamos as crianças, elas tendem a fazer mais do mesmo, ou seja, irão se comportar de maneira a reforçar aquele rótulo. Então, não aceite isso! A vida é feita de momentos, às vezes as coisas não vão muito bem, mas sempre podemos superar. As crianças também podem superar, só precisam de um cuidador gentil para conduzi-las com carinho e amor. Acredite! 💜⠀⠀
⠀⠀
Texto: Juliana Cidade, do @universodascriancasoficial ⠀
⠀
Ilustração: @priscilasoares.art - #regrann

Excelente texto do @cantomaternar - ❓Como as crianças aprendem sobre si mesmas, sobre as pessoas que as cercam e sobre o mundo❓⠀⠀ ⠀⠀ Observando e assimilando o ambiente no qual estão inseridas. As crianças, principalmente as pequeninas, são como esponjas: elas absorvem o que vivenciam. Então, precisamos tomar cuidado com o que apresentamos a elas.⠀⠀ Há algum tempo, precisei levar meu filho à emergência de um hospital. Estava na sala de espera e conheci ali um casal com seu filho pequeno, de quase 2 aninhos. O pai disse: “Esse menino é terrível! Tem um gênio! Ninguém aguenta, eu já estou vendo que não vou aguentar também”. O menino começou a andar pela sala de espera, mexer nas coisas, dar aqueles gritinhos de bebê, pareceu uma criança absolutamente normal. Mas o pai continuou: “Está vendo, não para quieto e ainda grita. Ele é terrível mesmo, terrível”. E o pequeno ali, na emergência de um hospital, sendo rotulado pelo pai de genioso e terrível.⠀⠀ Não estou julgando o pai, de forma nenhuma, principalmente porque acho que carecemos mesmo de informação e orientação para nos tornarmos pais e mães mais capazes. O objetivo aqui é refletir sobre o quanto, muitas vezes, nomeamos nossos filhos de forma negativa e os rotulamos.⠀⠀ Seu filho não é terrível, nem genioso, nem medroso, nem preguiçoso, nem desleixado, nem nada disso! Pode ser que ele esteja passando por uma fase difícil em algum aspecto, e que precise ser conduzido – com gentileza – para superar isso.⠀⠀ Quando rotulamos as crianças, elas tendem a fazer mais do mesmo, ou seja, irão se comportar de maneira a reforçar aquele rótulo. Então, não aceite isso! A vida é feita de momentos, às vezes as coisas não vão muito bem, mas sempre podemos superar. As crianças também podem superar, só precisam de um cuidador gentil para conduzi-las com carinho e amor. Acredite! 💜⠀⠀ ⠀⠀ Texto: Juliana Cidade, do @universodascriancasoficial ⠀ ⠀ Ilustração: @priscilasoares.art - #regrann